O que Steve Jobs pode nos ensinar sobre marketing em 2017

Por Nicki Howell

Steve Jobs não ficava bem no papel. Ele não era um engenheiro; ele não tinha um MBA. De fato, ele não tinha qualquer diploma universitário. Assim mesmo, com 21 anos de idade, o brilhante e desconhecido personagem fez uma parceria com um amigo, Steve Wozniak, para começar a Apple Inc. Os fundos eram limitados, portanto Jobs vendeu a sua Kombi Volkswagen e Wozniak vendeu a sua amada calculadora científica. Oficialmente eles estavam funcionando – operando, em parte, na garagem da família de Jobs.

O resto é história. Mas, ao longo da jornada, Jobs provou ser não apenas um dos maiores inventores, como também um dos maiores profissionais de marketing. De fato, Guy Kawasaki, cofundador da Alltop e um influenciador bem conhecido, disse “Steve foi o maior profissional de marketing que jamais existiu”. Portanto, o que você pode aprender de Jobs e aplicar na sua marca em 2017? Veja cinco estratégias de marketing a serem consideradas nos próximos meses.

1. Não comercialize produtos… comercialize sonhos

Os produtos e serviços que você vende têm muitas características. Steve Jobs provavelmente lhe diria para parar de vender características e começar a vender sonhos. Talvez o sonho seja simplificar o fluxo de trabalho e gerar produtividade sem precedentes. Ou, talvez, seja experimentar fantástico crescimento da receita. Seja qual for o benefício, transforme-o numa história para criar entusiasmo.

Por exemplo, em 1997, a Apple criou uma campanha de anúncios intitulada “Pense diferente”, focando no cerne da marca da empresa: a inovação. Jobs narra o vídeo quando imagens de alguns dos maiores pensadores e inovadores de todos os tempos (Albert Einstein, Mahatma Gandhi, Pablo Picasso, etc.) apareciam na tela. Ele diz:

Isto é para os loucos, os desajustados, os rebeldes, os problemáticos, os pinos retangulares nos buracos redondos… os que veem as coisas de maneira diferente – eles não gostam de regras… Você pode cita-los, discordar deles, glorifica-los ou vilipendia-los, mas a única coisa que você não pode fazer é ignora-los, por que eles mudam as coisas… Eles empurram a raça humana para a frente, e, embora alguns possam vê-los como loucos, nós vemos gênios, por que os que são suficientemente loucos para pensar que eles podem mudar o mundo, são os que o fazem.

Ponto chave para levar para casa: Ligue os seus produtos e serviços aos sonhos dos clientes e desenhe o marketing para lhes contar essa história.

2. Mantenha as coisas simples

Veja qualquer produto da Apple e você notará algo interessante e comum. O design do produto, a utilidade e o marketing são simples. Steve Jobs disse:

Este tem sido um dos meus mantras – foco e simplicidade. Simples pode ser mais difícil e complexo; você precisa trabalhar duro para limpar o seu pensamento e simplifica-lo.

Mesmo os primeiros anúncios da Apple incluíam esses elementos de simplicidade. Por exemplo, este anúncio usa apenas duas palavras e, estrategicamente, seleciona imagens.

Steve Jobs

Veja algumas dicas para simplificar o seu conteúdo, para causar maior impacto.

Use cores. Pesquisadores descobriram que os visuais coloridos aumentam o desejo da audiência em 82 por cento de ler conteúdo. Você verá isto no anúncio acima – onde a Apple usou a cor cuidadosamente e a colocou estrategicamente contra um fundo preto para iluminar essa cor.

Aproveite mais vistas. Conteúdo com boas imagens obtém 94 por cento mais visualizações que o conteúdo sem imagens. Use imagens para contar a história, e use palavras estratégica e moderadamente.

Faça conteúdo por onde seja possível passar os olhos. A maioria das pessoas, 81 por cento delas, diz que elas escorregam pelo conteúdo ao lê-lo. Mark Twain disse algo que ficou famoso “Se eu tivesse mais tempo, eu escreveria de maneira mais curta”. Use menos palavras e use pontos de destaque para tornar o seu conteúdo fácil de ser percorrido pelos olhos.

Um exemplo de como Jobs usava a simplicidade para ilustrar um novo conceito é a apresentação do MacBook Air. No vídeo seguinte, Jobs faz uma apresentação destacando uma característica chave do computador – que o novo produto é tão fino, que cabe facilmente num envelope.

O inventor conectou estrategicamente o benefício (um computador delgado) a um item de uso diário (um envelope de papel pardo).

Ponto chave para levar para casa: Tome o manual de Jobs e busque conexões que liguem benefícios chave do seu produto e itens de uso diário, que o cliente entende instantaneamente.

3. As pessoas (ainda) não sabem o que elas querem… mostre a elas

A maioria dos profissionais de marketing é ensinada a engajar com clientes para descobrir o que eles realmente querem. O problema é que, às vezes, os clientes realmente não sabem o que eles querem. Steve Jobs disse: “É realmente difícil desenhar produtos pelos grupos de foco. Muitas vezes, as pessoas não sabem o que elas querem, até que você mostre para elas”.

Ele destaca que Alexander Graham Bell não tinha grupos de foco, ou falava com os clientes antes de inventar o telefone. Ele sabia que havia uma necessidade e, precisamente, ele previu essa necessidade – e os resultados foram assombrosos.

As categorias de produtos existentes podem ser revividas para mostrar aos clientes que o produto é a resposta para essa necessidade “seguinte”. Por exemplo, na época do lançamento do iPod, a tecnologia não era nova. Havia muitos MP3 players no mercado, mas nenhum deles estava decolando. Então, Jobs começou a pensar sobre esta tecnologia de maneira diferente. Ele ajudou a criar essa necessidade.

Os MP3 players não eram mais sobre tocar canções para você, que estava em movimento – afinal, as pessoas faziam isto há anos com os seus Walkmans e com dispositivos similares. Agora, Jobs disse que a tecnologia MP3 era sobre ter “1.000 músicas no seu bolso”. Ele quantificou o produto de maneira simples, que os usuários puderam entender.

Ponto chave para levar para casa: Não pense apenas nas necessidades atuais dos clientes. Olhe para o futuro para descobrir como você poderá falar sobre produtos que apoiem a evolução dessas necessidades.

4. Faça suspense – muito suspense

Os lançamentos da Apple são famosos, e eles não ficaram assim seguindo o “status quo”. A empresa fez algo diferente. Antes de um lançamento, boatos começavam a circular (o que não era um acidente). Então, a Apple anunciava o novo produto. E, por falar nisso, o produto não chegava ao mercado nos seis meses seguintes.

Quando a empresa finalmente colocava o produto à venda, milhões de unidades eram vendidas nos primeiros dias. Por exemplo, quando a Apple lançou o iPhone 6, a empresa vendeu mais de 10 milhões de unidades durante o primeiro fim de semana.

De fato, Jobs era notório por dizer “Apenas mais uma coisa” durante uma conferência de imprensa, e então, dizer à audiência algo que as deixava completamente atônitas. Ele era mestre na construção de suspense e, quando você usar esta tática, os resultados são ampliados. Você não sabe exatamente por onde começar? Veja algumas dicas.

  • Alimente a história. Atualmente, os influenciadores são muito poderosos. Comece a vazar informação para influenciadores alvo sobre a sua campanha de marketing, ou lançamento de novo produto.
  • Conte uma fábula. A melhor maneira de construir suspense é contando uma história realmente boa. As melhores histórias começam apresentando mistérios e problemas insolúveis, e, então, lentamente, revelam a solução.
  • Tuite pistas. Comece a criar suspense no Twitter, revelando dicas e pontos chave sobre o futuro produto, os seus benefícios e o impacto que ele causará.
  • Produza vídeos que provocam. Por exemplo, poste vídeos provocadores no Twitter, ou em outros canais da mídia social, onde a sua audiência alvo gasta tempo.

Ponto chave para levar para casa: Criar suspense é sobre escolher o momento certo. Planeje estrategicamente o momento e implemente cada movimento para construir expectativa e produzir mais interesse e engajamento.

5. Foque na experiência

Steve Jobs acreditava que você não precisa ser o primeiro no mercado, mas que você precisa ser o melhor do mercado. A Apple não foi a primeira a inventar o MP3, os smartphones, ou os tablets, mas, a empresa olhou no que os outros estavam fazendo, encontrou falhas e transformou essas falhas em oportunidades. O cerne deste tipo de conversão é criar melhores experiências para o usuário. Veja algumas dicas para começar.

Continue a ser relevante. Apresente aos clientes o conteúdo certo no momento correto. Faça isto desenvolvendo personagens dos compradores e conheça a jornada dos clientes com grande precisão. Quando você conhecer como os clientes o estão encontrando e os encontre onde eles estão (durante o exato momento do impacto), os resultados serão muito melhores.

Continue a ser consistente. Foque em experiências do tipo ‘em todos os canais’, para que, independentemente do canal que os clientes usem para interagir, as mensagens e as experiências da marca sejam as mesmas.

Itere constantemente. Focar na experiência do cliente requer máxima flexibilidade dos profissionais de marketing. Esteja disposto a mudar rapidamente, para otimizar a experiência.

Ponto chave para levar para casa: Quando a experiência dos clientes oferecer absoluta simplicidade e bater na porta do poder do momento estratégico, os clientes tornam-se mais engajados, animados com os seus produtos e serviços, e estarão prontos para comprar.

O marketing em 2017

Steve Jobs ensinou os profissionais de marketing que o produto sempre está no coração da mensagem. Mas, esta mensagem não pode ser apenas qualquer história sobre o produto; ela precisa ser a história que melhor conecte com os sonhos do cliente – mesmo que ele ainda não tenha completado o sonho.

Jobs disse que “Eu quero deixar uma marca no universo”. Como profissionais de marketing, nós também, E quando nós usarmos as estratégias acima mencionadas, poderemos alcançar não apenas os clientes com grande impacto, como também poderemos entregar a mensagem que eles estão esperando ouvir.

Quais são os seus planos de marketing para 2017? Por favor, compartilhe.

Você está pronto para implantar o seu plano de conteúdo? Verifique o nosso e-book para aprender a criar conteúdo de qualidade através de uma estratégia vencedora que atraia potenciais compradores e que crie afinidade pela marca. Ele te ajudará a desenvolver personagens de compradores, a mapear a jornada deles através do ciclo de engajamento até a tomada de decisão e produzir conteúdo que os ajudará em cada estágio dessa jornada.

banner-site-como-criar-uma-estrategia-vencedora

Sobre a Autora: Nicki Howell é uma profissional de marketing de conteúdo B2B, especializada no ramo da tecnologia. Ela ajuda os seus clientes a melhorar as suas taxas de respostas, a comunicar mensagens complexas e a gerar leads de alta qualidade. Você pode conectar com Nicki no LinkedIn, segui-la no Twitter ou aprender mais aqui.

Fonte: Act-On Software

Tradução: Fernando B. T. Leite

Act-On agency partner logo® Copyright: A HyTrade é agência parceira da Act-On e todos os artigos são traduzidos e republicados com autorização.